Sandbox Lisboa, A paixão é o começo

Lisboa viu acontecer no passado fim-de-semana, no M.U.D.E., a reunião de jovens talentos vindos de mais de quarenta e quatro países. Eu mostrei-lhes a ‘Lisboa dos Escritores’ e assisti a muito boas ideias. Daquelas que vão mudar o mundo.

A Sandbox foi fundada na Suiça, em 2009, como uma comunidade global para ajudar e inspirar jovens líderes de várias áreas – economistas, arquitetos, designers, informáticos, artistas, escritores, atores e, até, cantores de ópera – a construir relacionamentos significativos que motivem a realização das suas ideias. Entre os vinte e os trinta anos, a Sandbox identifica capacidades empreendedoras em jovens de todo o mundo, que já têm um impacto impressionante ainda muito novos, independentemente do campo ou indústria.

A grande missão é acelerar os líderes jovens e ajudá-los a ter um impacto global. Ao incubar esses talentos num ambiente onde eles podem construir relacionamentos significativos, com cabeças que pensam da mesma maneira ou à mesma velocidade, terão juntos a oportunidade de falarem com os líderes séniores e terão acesso às oportunidades que irão ajudá-los a crescer.

‘Ao ser um Sandboxer, pode conectar-se localmente, ou quando viajar, trocar ideias numa atmosfera de confiança, ter acesso às oportunidades de emprego seletivas e eventos, encontrar projetos para contribuir e parceiros para as suas próprias iniciativas, e conhecer pessoas e entrar em lugares que não teriam acesso de outra forma.’

A crescente comunidade conta com mais de quinhentos jovens líderes em quarenta e quatro países diferentes e organizam, com um embaixador, eventos regulares em mais de vinte cidades entre os Estados Unidos da América, a Europa e Ásia. Todos compartilham um certo grau de espírito empreendedor. Na extensão desse pensamento, o evento contou com a presença do nosso Ministro da Economia e com um desafio da Vereadora da Economia, Graça Fonseca, que colocou estas quarenta e quatro nacionalidades a pensar no futuro da nossa cidade, para mim um dos grandes momentos da cimeira.

Quando a Beta-i me convidou como consultora para orientar as escolhas para as visitas a alguns temas da cidade, pediram-me também para mostrar a ‘Lisboa dos Escritores’ a vinte dos Sandboxers. Ao lado de voluntários como o José Cabral do blogue ‘O Alfaiate Lisboeta’ – que mostrou um corte de alfaiate com o atelier do Ayres Bespoke Tailor, ou Joana Astolfi, que sabiamente enviou os seus vinte Sandboxers comprar artigos na Feira da Ladra para construírem as suas próprias peças -, o privilégio da experiência confirmou-me o aumento das ideias que ainda quero implementar nesta cidade.

Os meus passos seguiram o Martinho da Arcada, as ruas da baixa Pombalina, o Largo de São Carlos, a Casa Havanesa, a Brasileira, os passeios e as estátuas até ao Príncipe Real onde, na Babel do Fabrico Infinito, os esperava um CD de música de língua portuguesa – a ferramenta de um escritor – e um livro de texto inédito de Fernando Pessoa, ‘A Demonstração do Indemonstrável’, com textos em inglês. Porque a minha cidade é mesmo isso… indemonstrável, é preciso viver como um local – por isso, ainda mostrei alguns dos meus sítios de tertúlia de eleição. À nossa espera, uma bomba de energia para subir as colinas da nossas cidades, a sobremesa do almoço da ‘lunchbox’ que foi devorado pelo caminho. Açai em taça que, na extensão da nossa língua como uma das mais faladas do mundo, exibia frases de Pessoa e de Vinicius de Morais.

E se ‘por mais longa que seja a caminhada, o mais importante é dar o primeiro passo, é necessário criar’: criar ideias e concretizá-las, como a peça que Joana Astolfi, com a ajuda da poderosa presença de Fernando Nobre, leiloou de forma estrondosa e genial no final do evento, levando a sala ao rubro. Já com os Sandboxers de partida, as memórias espalham ainda muita areia no saco da experiência. E enquanto ela se faz sentir na luz do Sol, na vontade que tenho de mover esta cidade, surgem-me muitas das frases e mensagens das paredes espalhadas pelo M.U.D.E.. Valiam todas a pena, assim como a mais famosa frase do Sandbox Lisboa, exibida na peça em tríptico no final do leilão: ‘Come on baby, light my fire’.

crónica publicada a 26 de Janeiro de 2012 na Vogue

Sandbox
Badenerstrasse 109, 8004 Zürich, Switzerland
Tel. +41 43 268 97 56
www.sandbox-network.com
facebook aqui

Sandboxers fotografados por António Gamito www.antoniogamito.com

Mostrei a ‘Lisboa dos Escritores’ com as seguintes parcerias:
Babel l www.babel.pt
Música no Espaço l www.musicanoespaco.com
Taçai l www.tacai.com.pt