Perante a cidade sempre urbana é inquestionável a necessidade de regressarmos ao mais puro do estado natural do ser humano. Nesse percurso, os momentos no meio da cidade de extensão à liberdade não têm preço e serão sempre intemporais. Esta semana, a sugestão de uma cumplicidade com a natureza, com as obrigatórias livingstones e um hino à poesia, em passeios sobre os mantos de jacarandás na mais bonita das calçadas.

crónica publicada a 30 de Maio de 2008 no jornal Meia Hora