Albert Laporte e a Gernétic no meu toucador Atlântico

Gernetic © Sancha Trindade

Não tenho ilusões de que a genética é dos ingredientes mais importantes do não-envelhecimento. A minha família não têm tendência para rugas e confesso que vivo bem com a ideia dos corpos envelhecerem, se estes forem tornando-se portadores de seres humanos mais sábios, cultos e interessantes. A vida desgasta-nos mas torna-nos se assim o deixarmos, em almas mais perfeitas e não há juventude que valha a um caminho de humildade e sabedoria.

Não sei há quantos anos uso GERnétic, porque perdi a conta, mas lembro-me aos quinze anos começar a usar um tónico de limpeza da Mustela. Uns anos mais tarde descobri a GERnétic e nunca mais a larguei.

Conhecida por ser uma marca ‘de gabinete’ quase que é considerada um culto (Catarina Furtado, Laurinda Alves, Maria Barros, por exemplo, são grande fãs da marca). O biólogo francês Albert Laporte foi o fundador desta marca, que tem por logotipo a gaivota do filme Jonathan Livingston Seagull, por ilustrar a filosofia que defende: ‘o ser humano existe para aprender e passar o conhecimento aos outros’.

Com um percurso que se iniciou nos cuidados hospitalares da unidade de queimados em Paris, na senda da regeneração e aliada à ciência, o Dr. Laporte sempre procurou aliar as grandes tecnologias ao mundo mais natural e por isso uma das suas grandes missões ‘o futuro tem de ser um regresso ao passado’.

Al bert Laporte

Sempre na vanguarda, no que diz respeito às novas tecnologias, para a tornar mais confiante e permitir à pele recuperar a sua resplandecência, a grande missão da GERnétic é criar produtos e tratamentos adaptados a cada pessoa. Nas imagens partilho alguns que me acompanham há uns anos.

A pesquisa em biologia celular, permite que os produtos da GERnétic sejam compostos por plantas, vitaminas, oligoelementos, aminoácidos, proteínas e óleos nobres, cujos activos 100% naturais garantem um resultado ideal, sem qualquer risco de alergias. Eu neste assunto não me posso queixar. Tenho uma pele excelente e nunca soube o que foi passar pelos desafios eruptivos da adolescência, mesmo quando comia muito chocolate, ideia que sempre considerei um mito (um privilégio, eu sei).

Chateau Gernetic 2
Os laboratories GERnétic Synthèse foram então criados em 1977 em homenagem à grande paixão que o Dr. Laporte sempre teve pela beleza feminina. Nesse mesmo ano cria o famoso Syncro (o meu creme de noite) e do qual sou inseparável. Com os seus conhecimentos desenvolveu uma pesquisa dinâmica e contínua de soluções inovadoras, baseando-se na investigação, através de ingredientes activos, sobre o centro das células da pele.

Durante mais de 40 anos utilizou – a partir do seu lindíssimo Chateau d’ Ensoules — novos métodos de pesquisa e de investigação tecnológica que lhe permitiram melhorar a fórmula das suas substâncias naturais, progressivamente mais activas (plantas, algas, aminoácidos, proteínas e óleos nobres). E é com base nesta investigação, que a GERnétic oferece hoje um gama com mais de oitenta referências para o tratamento do rosto e corpo.

Nas minhas escolhas, uso o Glico (para limpar a pele) seguido do creme de dia o Syncro 2000 sempre seguido de um Melano III , uma proteção solar que uso até nos dias de chuva. À noite uso o Syncro e o Immuno em conjunto, uma formula mágica desta marca.

Também no corpo não há milagres e lá vou eu buscar a inegável genética. Sem esforço não há milagres e por ordem de importância: sem alimentação, água, exercício físico é um disparate andar a fazer tratamentos ou massagens. Os meus rituais usam o Lympho, o Vasco Artera e o Adipo Gasta. Porque adoro peles bem nutridas uso ainda o Lait Corp Doucer.

Depois da partida de Albert Laporte, é a sua mulher Ana Laporte, que lidera esta marca que inunda todos os dias o meu toucador e me ajuda a resistir à vida intensa de uma cidade.

Para descobrir amanhã num ‘give away’ .Para saber onde comprar num gabinete perto de si ligue para o 214 411 764  e ainda aqui e aqui.

Chateau Gernetic