Somos uns privilegiados. Uma costa atlântica de mão beijada, de mares enérgicos no litoral e de praias serenas no Sul, de onde vos escrevo estas palavras. Mergulho no saco do semanário Expresso e tropeço num artigo que goza do título “como eles (os estrangeiros que cá vivem) nos vêem”.

Diz o artigo que chegam “atraídos pelo clima, pela gastronomia, a cultura, a simpatia e a facilidade de fazer amigos”.Para quem viveu na Holanda sabe bem que Portugal é uma pérola, no que toca à fraternidade. O artigo revela também os defeitos: o desornamento do território, o mau urbanismo, o pessimismo, o mau sistema de saúde. Como as linhas não dão para mais ressalvo o mau senso no ordenamento do território.

Ter uma costa de mão beijada e destruí-la em prol do betão autárquico inspira-me reacções pouco condescendes.Também os gregos receberam as suas fabulosas ilhas de mão beijada e embora tenham destruído Atenas, as ilhas estão intocadas, bem à maneira da nossa Óbidos. E se com esta vila do Oeste partilho a prova de que é possível fazer bem, questiono-me o que teria sido de Portugal na mão dos holandeses. É que Deus criou o mundo e segundo os próprios, os holandeses a Holanda.

E é verdade, em termos de planeamento do território é de se lhe tirar o chapéu. E não porque temos mais Sol, mas apenas porque a sua conduta calvinista os leva a pensar no planeamento urbano com rigor. Mesmo sem a nossa costa, a nossa paisagem eclética e sem a Luz de Lisboa jamais “planeariam” tenebrosas Caparicas ou Quarteiras. Aprendamos então, e salvemos o que ainda sobra em terras de brisa atlântica.

coluna de opinião publicada a 19 de Junho de 2008 no jornal Meia Hora

© fotografia de Kirjay