A ‘Matéria’ do Lisboa String Trio

‘Quem somos quando avançamos? Que territórios visitamos? Que fronteiras esbatemos?’ Assim se apresenta a obra ‘Matéria’ dos LST Lisboa String Trio. Composto por José Peixoto, Bernardo Couto e Carlos Barretto, a ‘matéria’ elevada chegou-me por e-mail e não resisti a partilhar. Pela consideração que tenho pelo talento de Bernardo Couto e pela osmose do jazz com o fado, aliada à qualidade de José Peixoto e Carlos Barretto, estou muito feliz por ter nascido este projeto nacional. Uma matéria com grande sentido de reinvenção, para a nossa alma tocar o mundo.

Lisbon String Trio 2

Nas palavras dos LST, numa terra de dialectos de sangue é nessa pureza de uma raça impura que se geram novas formas de expressão para sentimentos intemporais. Novas cores, novos sabores. E é nesta paisagem mestiça que aparecem propostas singulares como a música deste trio. A música equidistante de várias tradições, sem as espelhar mas nelas inspirada, desenvolvendo várias plataformas de intersecção onde os músicos se podem exprimir livremente e semeá-las com as suas identidades. Admitindo que estas duas palavras ou conceitos podem existir sem sobressaltos, ‘jazz” e “português, o  trio atreve-se a construir a sua música nesse contexto poético e subjectivo do que pode ser essa expressão em português ou dentro daquilo que se pode (se se puder) definir como o seu sentir.

Jazz português? Se fado fosse… Mais aqui.