‘A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito’

A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (12) B

‘O carácter asséptico destes lugares exclui-nos deles por serem quase desumanos mas atrai em nós o gosto inexplicável pela “desumanidade” daquilo que parece ultrapassar-nos. Se a complexidade e a estranheza mecânicas são indutoras de enigmas, a nossa distância em relação a elas é indutora de incómoda reverência. Os espaços são por vezes apreendidos no seu múltiplo preenchimento em contraste com a opção dos grandes planos de peças isoladas (incluindo objetos pessoais, os poucos que os astronautas são autorizados a levar consigo)’.

A impossibilidade poética de conter o infinito de Edgar Martins é uma exposição obrigatória. Mais aqui.

A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (2)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (3)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (4)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (5) BA Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (5)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (6)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (7) BA Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (7)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (8)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (9)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (10)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (11)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (12)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (13)A Impossibilidade Poética de Conter o Infinito Edgar martins Gulbenkian (14)