Ainda estamos a aterrar das filmagens do Porto e sim chegámos apaixonados com o que vimos e filmámos.

Além de tudo o que partilharemos em breve e que tanto orgulha a nossa marca Portugal – já sabem que só mostramos o melhor ;-) –  partilhamos em modo de abertura de panos, um novo livro. É com imenso entusiasmo que vos apresentamos o ‘Porto D’Honra‘ de Manuel de Sousa, que revela com pormenores deliciosos e muitas histórias da leal e invicta cidade.

Deixamos a sinopse em baixo e a promessa de muitas novidades do Porto já na emissão da próxima semana. Até já.

porto-d-honra-manuel-de-sousa-esfera-dos-livros-livro-a-cidade-na-ponta-dos-dedos-sancha-trindade

Uma visita guiada pelo passado, através de acontecimentos que constituem uma parte fundamental da identidade portuense, como o desastre da Ponte das Barcas, as invasões francesas e o sofrimento que infligiram à população, o legado deixado pelos judeus (não será por acaso que a cidade alberga a maior sinagoga da Península Ibérica), a história da mãe de todas as praças portuenses: a da Liberdade, ou o famoso cerco do Porto, que acabou por dar à cidade o título de «Invicta».

Mas muitos dos aspetos relatados nesta obra são bem menos conhecidos ou estão mesmo por descobrir, contribuindo assim para sublinhar o carácter sedutor e fascinante do Porto. O atual Palácio da Bolsa, um dos ex-libris da cidade, foi construído sobre as ruínas do Convento de São Francisco, local onde o rei D. João I pernoitou antes de casar com D. Filipa de Lencastre.

Já a Rua do Almada, paralela à Avenida dos Aliados, homenageia João de Almada e Melo que, juntamente com o seu filho, mudou para sempre a face do Porto e criou aquilo que hoje conhecemos como Baixa. Na Igreja da Lapa, encontra-se, numa pequena urna de prata, o coração de D. Pedro IV, que deixou expresso que aquele fosse legado à cidade.

Os cafés, antigos botequins, foram antros de conspirações e grandes exemplos do que de melhor havia na arquitetura e decoração. Foi nos cafés da Praça que se preparou a revolta republicana de 31 de janeiro de 1891 e o Piolho foi o primeiro botequim portuense a ter eletricidade e a adquirir uma máquina de café La Cimbali que deu o nome ao cimbalino. Estas são apenas algumas das histórias, segredos e curiosidades presentes neste livro que marcam a história da Invicta ao longo dos tempos.